24.1 C
Piauí
21 de março de 2019
Cidades em Foco
Geral Internacional

‘Não vamos deixar que uma delação qualquer paralise o Brasil’, diz Temer

O presidente da República, Michel Temer (PMDB), afirmou nesta segunda-feira (17) que “uma delação qualquer” não pode paralisar o Brasil. A declaração foi dada pelo presidente em entrevista ao SBT cinco dias após o fim do sigilo sobre as delações da Odebrecht, que citam centenas de políticos, inclusive o próprio Temer – que tem imunidade temporária e, por isso, não pode ser investigado.

“Minha preocupação é trabalhar pelo Brasil”, afirmou Temer ao ser questionado se não temia ser investigado depois de deixar a presidência, em 2018. “Não vamos deixar que uma delação qualquer paralise o Brasil”.

O presidente disse que Judiciário e as investigações estão cumprindo seu papel – e o Executivo e Legislativo têm de fazer o mesmo – e citou as reformas da Previdência e trabalhista como medidas importantes que precisam ser aprovadas pelo governo.

“O Brasil não vai parar. O Brasil tem instituições sólidas. O Judiciário está funcionando regularmente, as investigações funcionaram regularmente”, afirmou Temer. “O Executivo e o Legislativo têm de continuar a trabalhar. Há coisas importantíssimas no Brasil, a reforma trabalhista, a reforma previdenciária.”

“Nós precisamos mostrar ao povo brasileiro que o Brasil está trabalhando, por isso que eu estou dando essas entrevistas, exata e precisamente para revelar: olha aqui, não vamos deixar que uma delação qualquer paralise o país”

Sobre a reforma da Previdência, Temer admitiu que ela pode ter um tempo de contribuição menor para mulheres – sem especificar qual seria. “Não é improvável”, disse o presidente, destacando que se reuniria hoje com a bancada feminina no Congresso para debater a reforma.

Temer defendeu as mudanças na proposta original do governo que tem autorizado e disse que elas têm sido feitas depois de “observações pertinentes” dos parlamentares.

Vídeo: veja entrevista na íntegra:

Ele confirmou que uma das mudanças está no tempo de contribuição para se aposentar com o benefício integral (cairá de 49 para 40 anos), minimizou as mudanças e disse que não aprovar a reforma “é ruim para o país, não é ruim para o governo”.

“O que não pode é continuar um déficit que foi de R$ 150 bilhões em 2016, vai ser de R$ 200 bilhões neste ano e pode chegar a R$ 600 bilhões”, afirmou Temer. “Pela área econômica, em dez anos a redução do déficit seria de R$ 800 bilhões [na proposta original]. Com as mudanças, é melhor reduzir o déficit em R$ 600 bilhões ou não fazer nada?”.

Impeachment

Temer voltou a ser questionado sobre o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, de quem era vice, exato um ano depois da Câmara aprovar o proseguimento do processo. “Foi uma coisa, digamos, avassaladora, em termos de votação”, afirmou o presidente, minimizando o papel do então presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

No sábado (15), ele afirmou em entrevista à Band que o ex-deputado abriu o processo de impeachment porque o PT votou pela continuidade do processo contra ele no Conselho de Ética da Câmara. “Se o PT tivesse votado nele naquela Comissão de Ética, é muito provável que ela continuasse”, afirmou o presidente.

Ele também disse não temer uma possível delação de Cunha, hoje preso. “Não sei o que ele vai fazer e não devo me incomodar com isso”, disse Temer. “Não estou preocupado. Espero que ele seja muito feliz”.
Fonte: G1

Notícias relacionadas

Tribunal de Contas vai fiscalizar aumentos salariais de prefeitos e vereadores no Piauí

Junior Oliveira

Vocalista Walkiria Estarley, da banda Farra da ‘Gordinha’, passa mal e é internada em Teresina

Junior Oliveira

Prefeito realiza maior ‘Festa do Vaqueiro’, entrega obras e veículo para a população de Acauã.

Junior Oliveira

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais