23.2 C
Piauí
13 de novembro de 2019
Cidades em Foco
Geral Internacional

No Piauí, socorrista descobre que vítima que caiu da ponte era amigo de infância

Socorrer uma pessoa que está entre a vida e a morte não é fácil em nenhuma situação. Isto fica ainda mais difícil quando se conhece a vítima. Numa trágica coincidência o socorrista do Samu de Teresina, Roberto Nery, passou por esse experiência ao participar dos primeiros socorros ao passageiro do carro que caiu da ponte Mariano Castelo Branco ontem pela manhã.. O passageiro era o pedreiro Sérgio Rodrigues, que faleceu no Hospital de Urgência de Teresina na noite desta quarta-feira  (02).

Roberto Nery disse ao Cidadeverde.com que foi uma surpresa saber que o chamado da ocorrência que o Samu recebeu ontem era para atender um amigo.

“A gente se conhecia desde a infância. Esse resgate foi bem mais difícil. Lamentavelmente esse rapaz era afilhado da minha mãe. Me senti até mais afetado que toda equipe do Samu que estava lá. A emoção foi muito grande. A gente nunca sabe quem está do outro lado, mas foi muito difícil. No momento não podemos deixar a emoção transparecer, pois temos que agir de acordo com a função que nos é dada”, disse o socorrista durante velório do amigo.

Segundo ele, a ambulância do Samu demorou apenas quatro minutos para chegar ao local do acidente. Após a queda do carro no rio, pescadores tiraram o pedreiro Sérgio da água com o auxílio de uma canoa. A vitima estava desmaiada e foi levada até a margem do rio, quando o Samu iniciou o procedimento de reanimação, que durou mais de uma hora e meia.

“Foi um trabalho difícil, primeiro porque a gente trabalha com ser humano e sempre ficamos abalados. Quando a gente chegou, populares já haviam coberto o possível corpo com galhos de árvore, mas mesmo assim, começamos a reanimação. Tivemos muito êxito e conseguimos deixá-lo com perspectiva de vida. Fizemos com que o coração voltasse a pulsar e a pressão arterial  normalizasse. Mas, lamentavelmente, ele morreu depois”, disse Roberto Nery.

O socorrista trabalha há 20 anos no Samu e já participou de resgate de familiares, que felizmente, sobreviveram.

Família abalada

Muito abalada, a família do pedreiro Sérgio não quis falar com a imprensa. O sepultamento da vítima está marcado para o fim da tarde, no cemitério da região da Santa Maria da Codipi.

As causas do acidente que vitimou o pedreiro e o motorisa do carro ainda estão sendo apuradas.

Flash Graciane Sousa / CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais