28 C
Piauí
19 de maio de 2019
Cidades em Foco
Geral Polícia

Nove viram réus e irão a júri popular por linchamento no Maranhão

Contra o justiçamento, a Justiça. Acusados de participar do linchamento de Cleidenilson Pereira da Silva, brutalmente assassinado, aos 29 anos, após tentar roubar um bar em São Luis, no Maranhão, nove réus irão a júri popular pelo crime, ocorrido em julho de 2015. Eles respondem por homicídio duplamente qualificado — por meio cruel e sem chance de defesa — e pela tentativa de homicídio contra o menor de 17 anos que acompanhava o assaltante. A pena, em caso de condenação máxima, pode chegar a 30 anos de prisão.

Até que a denúncia do Ministério Público fosse aceita pela Justiça do Maranhão, no dia 7 de junho, passaram-se 11 meses da sessão de espancamento, durante a qual Cleidenilson chegou a ser amarrado a um poste. Em sua decisão, o juiz Gilberto de Moura Lima, da 2ª Vara do Tribunal do Júri, afirma que “os indícios de autoria se encontram demonstrados pelo depoimento das testemunhas”. O julgamento deve ocorrer ainda esse ano, depois que os réus forem pronunciados.

A denúncia do promotor Agamenon Batista de Almeida Júnior descreve a participação de cada um dos acusados no linchamento — veja ao lado. Entre eles, estão o dono do bar que sofreria o assalto e o filho do comerciante, além de dois dos três clientes presentes no momento em que Cleidenilson, armado, anunciou o roubo.

O texto de dez páginas frisa que, “impelidos por sentimento de vingança” após a tentativa de assalto, os envolvidos agiram “usurpando a função do Estado de julgar e de punir”. Já Cleidenilson e o adolescente, para o promotor, passaram de “de pretensos réus” a “vítimas da barbárie vingativa dos denunciados.”

O EXTRA tentou contato com os advogados dos réus. O único localizado, porém, foi Donaldson dos Santos Castro, que representa Waldecir Figueiredo, Ivan Figueiredo e Elio Soares:

— Eu requeri, preliminarmente, a rejeição da denúncia, por não restar pormenorizada e provada a participação de cada um — afirmou o advogado.

Disparo
A denúncia aponta que, segundo testemunhas, o assaltante chegou a tentar disparar a arma que levava na cintura, mas ela teria falhado. Não constam no documento, porém, informações sobre uma perícia no equipamento, que poderia comprovar ou não a tentativa de atirar.

Testemunhas
O promotor listou nove testemunhas a serem ouvidas no julgamento. Entre elas, estão o o pai de Cleidenilson, o menor que sobreviveu às agressões, dois homens que tentaram interromper o linchamento e uma cliente do bar, que teria se escondido no banheiro durante o roubo.

Sem passagens
Até o dia em que foi morto, Cleidenilson Pereira da Silva jamais havia respondido na Justiça por qualquer delito, tampouco tinha passagens pela polícia. O adolescente que o acompanhava também não possuía, até então, nenhum tipo de anotação criminal.

‘Fica a dor. Não muda nem com condenação máxima’
Entrevista com o lanterneiro Antonio Pereira da Silva, pai de Cleidenilson
Os assassinos do seu filho agora são réus. Qual a sensação?

Peço a Deus todos os dias, nas minhas orações, sem tirar a responsabilidade dele, para que alguma autoridade faça valer a justiça. Que consigam esse feito, tão raro hoje em dia, principalmente pra gente, que tem a renda baixa. Não temos dinheiro nem para pagar advogado.

Como correu esse último ano?
Perder um filho desse jeito é difícil. Fica a dor, vem depressão… Isso não muda nem com condenação máxima, mas não podemos desistir de viver, né?

 

 

Fonte: Extra

Notícias relacionadas

Polícia deflagra operação contra roubo de animais e estupro; oito são presos

Junior Oliveira

Sabrina Boing Boing é esfaqueada durante assalto em São Paulo

Junior Oliveira

TCE disponibiliza sistema para consulta de processos online

Junior Oliveira

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais