21.5 C
Piauí
22 de janeiro de 2021
Cidades em Foco
Geral Polícia

PF investiga fraude de R$ 1,4 milhão em laudos médicos para terem benefícios

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quarta-feira (02) em Teresina a Operação “Falso Vínculo”. O trabalho, realizado com apoio da Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária e Trabalhista (CGINT) da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, tem a finalidade de reprimir crimes previdenciários.

As investigações, iniciadas em 2015, a partir de levantamentos de  informações recebidas de atuação de um agenciador, levaram à identificação de um esquema criminoso no qual eram obtidos, mediante fraudes e simulações, laudos médicos e psiquiátricos. De acordo com a PF, os documentos fraudulentos serviam para obtenção do Benefício Previdenciário de Auxílio Doença e, posteriormente, conversão em Aposentadoria por Invalidez

“Os titulares desses benefícios, inclusive, o próprio agenciador, eram atendidos em Hospitais Psiquiátricos de Teresina, conseguindo Declarações de Internação ou de Atendimento, documentos posteriormente apresentados junto à Perícia Médica do INSS, objetivando a obtenção fraudulenta dos benefícios”, informou a PF.

A Polícia Federal cumpriu dois Mandados Judiciais de busca e apreensão, na residência e local de trabalho do agenciador e estelionatário investigado. A operação contou com a participação oito policiais federais.

Foto: Divulgação/PF

O prejuízo inicialmente identificado com a concessão de nove benefícios indevidos chega a R$ 1,4 milhão, dentre os quais, R$ 286 mil em quatro benefícios de Auxílio Doença para o próprio investigado.
“Com a documentação que nós já tínhamos, constatamos fraude em torno de R$ 1,4 milhão. Só esse mesmo agenciador,alvo da nossa operação, recebeu quase R$ 300 mil em auxílio doença,alegando doenças psicológicas. o que se comprova é que ele pessoa sã”, informou o delegado Robério Chaves, da Polícia Federal.

O envolvido será indiciado pelos crimes de estelionato previdenciário e associação criminosa, cujas penas máximas acumuladas podem chegar a nove anos e oito meses de prisão.

O nome da Operação vem do fato do investigado, para obtenção dos benefícios, criar falsos vínculos de trabalho para adquirir a condição de segurado junto ao INSS.

“Foram apreendidos muitos documentos, uma quantidade elevadíssima. Vamos agora analisar esses documentos para conseguir obter provas de outras fraudes previdenciárias. Acreditamos que conseguiremos apurar e esses dados e, obviamente, revisionar esses benefícios obtidos”, completou o delegado da PF.

Foto: Divulgação/PF

Com informações da Polícia Federal

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais