32.4 C
Piauí
29 de janeiro de 2020
Cidades em Foco
Geral Política

Piauí tem previstos R$ 800 milhões no orçamento da União

O estado do Piauí tem a previsão de um aporte de cerca de R$ 800 milhões, este ano, através do Orçamento Geral da União. A maior parte dos recursos é proveniente das emendas individuais dos parlamentares e das emendas de bancada. Mas há duas obras importantes com valores carimbados dentro do orçamento: o açude Algodões II e a Transcerrados, ambas consideradas estratégicas para o Estado.

Quase dois terços desses valores correspondem às emendas individuais e de bancada, conforme explica o deputado Átila Lira (Progressistas), que é o coordenador da bancada do Piauí no Congresso Nacional. A soma desses valores fica próximo dos R$ 600 milhões. Há ainda outros R$ 200 milhões destinados às duas obras citadas, cada uma com dotação estabelecida em R$ 100 milhões. A obra das Transcerrados está, em termos orçamentários, vinculada à Sudene. Da mesma forma, os recursos para o açude Algodões II saem do DNOCS. Nos dois casos, os recursos deverão ser repassados para o governo do Estado, que fica com a execução das obras.

No que diz respeito às emendas parlamentares individuais e de bancada, a regra estabelece um percentual dos recursos para a saúde. Mas, conforme explica o deputado Átila Lira, a maior fatia dos recursos totais das emendas vai mesmo para infraestrutura. Isso inclui ações pontuais nos municípios, como calçamentos. A saúde aparece como o segundo maior volume de recursos, em sua grande maioria destinados ao custeio do setor. Com a destinação para o custeio, as emendas ajudam os municípios e o próprio governo do Estado a manter o funcionamento dos serviços de saúde.

Na prática, garantem o funcionamento do setor.

Saúde dependente das emendas

Não é só o estado do Piauí que depende das emendas parlamentares para manter o setor de saúde e até mesmo para cumprir uma regra constitucional, que estabelece um percentual mínimo de recursos para o setor. O investimento na saúde deve ser de pelo menos 15% do total das receitas. No caso da União, isso significa R$ 121,2 bilhões e a previsão orçamentária é pouco acima desse valor: R$ 122,9 bilhões.

Mas sem as emendas parlamentares o governo não cumpriria a lei: a soma de todas as emendas destinadas à saúde contabiliza R$ 8,1 bilhão. Se suprimido esse valor da previsão (que é de R$ 122,9), o orçamento para o sistema de saúde ficaria em apenas R$ 114,8 bilhões. Portanto, abaixo do mínimo estabelecido por lei.

Fonte: CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais