Polícia descobre suposta clínica de aborto e prende três pessoas em Paulistana

A Polícia Civil de Paulistana descobriu uma clínica clandestina suspeita de realizar abortos na região.

A denúncia partiu de uma adolescente de 16 anos que fez a interrupção da gravidez, teve complicações e segundo a investigação estava sendo coagida pelo namorado. Na operação batizada de “Espéculo” três pessoas foram presas – uma técnica de enfermagem e duas auxiliares de enfermagem. A operação foi realizada em conjunto com a Polícia Militar de Paulistana.

O comandante da Polícia Militar de Paulistana, major Stanislau Felipe Oliveira [foto acima), informou que a clínica clandestina funcionava no centro de Paulistana.

“Foram apreendidos materiais hospitalares, bisturi, gases e tudo leva a crê que havia essa prática de induzimento de aborto no local”, disse o major Felipe.

A Polícia informou que foram presas a técnica de enfermagem de iniciais V. I. R, e os auxiliares de iniciais J. R.C e C. R.O.

Segundo a polícia, a operação  faz parte do inquérito que investiga a prática do aborto feito na menor V. E. X. de S.

“Segundo as investigações, a menor vinha sofrendo reiteradas ameaças de morte por parte do ex-namorado que tinha o intuito de que fosse realizado tal procedimento”, diz a nota.

“A menor, sentindo-se coagida, foi submetida ao procedimento sofrendo graves consequências físicas e psicológicas, tendo sido inclusive, transferida para o Hospital Regional de Picos em estado grave logo após o procedimento”, revelou o comunicado da Polícia.

Aguarde mais informações

 

Fonte:CidadeVerde