Polícia não sabe o que fazer com cadeirante preso em Simplício Mendes

O que parecia ser mais uma prisão rotineira acabou se transformando em um problema para a polícia civil da cidade de Simplício Mendes.

Na tarde da última terça-feira (31/10) uma guarnição da Força Tática de Simplício Mendes efetuou a prisão em flagrante de dois homens na cidade de Paes Landim, identificados por Welton Alves Batista e Jaime da Silva, acusados de tráfico de drogas e posse ilegal de arma de fogo. Após efetuar a prisão, os militares conduziram os acusados para a delegacia em Simplício Mendes, até ai tudo normal, os problemas tanto para a polícia civil como para o acusado surge a parti daí.

Welton Alves Batista é deficiente físico (cadeirante) e está enfrentando grandes dificuldades dentro da cela da delegacia em Simplício Mendes, por falta de acessibilidade e por não ter as condições necessárias para receber um cadeirante diz a polícia civil.

O preso é acusado de tráfico de drogas, posse ilegal de arma de fogo e ameaça.

Veja o que disse o delegado Luciano Santana. 

A Polícia Civil de Simplício Mendes, na manhã desta sexta-feira (03/11) tentou dar cumprimento a decisão judicial, emanada pelo Juiz da Comarca de Paes Landim, onde o mesmo determinou que fosse feita a condução do preso Welton, para a  Penitenciária de Oeiras. Welton é deficiente físico e cadeirante há sete anos. Ocorre que ao chegar na citada penitenciária, o diretor daquela instituição se recusou a receber o preso, por não possuir condições físicas adequadas para custodiá-lo.

” Diante da recusa, o citado preso foi reconduzido para a delegacia de Simplício Mendes, onde encontra-se em péssimas condições de higiene e alimentação, pois às delegacias do Estado do Piauí não estão preparadas  e não possuem à obrigação legal de custodiar qualquer tipo de presos, cabendo isso única e exclusivamente a Secretaria de  Justiça do Estado. Vale ressaltar, que as delegacias do Piauí, não recebem verbas para custear alimentação de presos, cabendo está obrigação exclusivamente às suas famílias. Importante salientar mais uma vez, que a Polícia Civil de Simplício Mendes é responsável pela segurança pública de nove cidades.Não podendo a mesma exaurir seus recursos financeiros e humanos, já escassos, com a custódia e condução e recondução de presos, cuja responsabilidade, repito, é única e exclusivamente da Secretaria de Justiça do Estado do Piauí. Estou preocupado com toda essa situação”,  pontou o delegado.

Veja documento:

Segundo o agente de polícia civil Pinheiro a alternativa apresentada é levar o preso para UAPI em Teresina se conseguir uma vaga, já que o presidio de São Raimundo Nonato está lotado, mas a polícia alega não ter combustível para fazer o deslocamento.

 

 

Fonte: Blog do JB

Compartilhar:

Por: Júnior Oliveira

Diretor Geral