Prefeito ameaça municipalizar abastecimento de água, caso a Agespisa não solucionar a falta de água em Jacobina do Piauí

Há vários dias a população da cidade de Jacobina do Piauí vem sofrendo com a falta de água nas torneiras de suas residências. O problema que se repete ano após ano voltou a incomodar os moradores do centro e principalmente do bairro Alto São Pedro.

De acordo com a moradora do bairro Alto São Pedro, Rogeane Rodrigues, a sua residência completa 11 dias sem água nas torneiras. Ela afirma que situação está bastante difícil, uma vez que sem água não é possível fazer quase nada em casa. “A sorte nossa é que tem caminhão pipa colocando água para as pessoas, sendo que isso ameniza um pouco a situação, mas não é suficiente para sanar esse transtorno”, disse a moradora.

Em julho do ano corrente, o prefeito Gederlânio Rodrigues se reuniu com o presidente da Agespisa Emanoel Bonfim Veloso Filho,  justamente para tentar evitar a falta de água que é recorrente no final de ano, isso não apenas no município de Jacobina do Piauí, mas em todos os municípios que são abastecidos pela Barragem Poço de Marruá. O prefeito se antecipou para tentar evitar essa falta de água e pediu que a Agespisa verificasse quais os motivos da falta de água e resolvesse o problema de uma vez por todas. Em 2015 fora 90 dias sem água, 2016 foram cerca de 60 dias e em 2017 já faz 10 dias que está sem água. Embora a prefeitura tenha disponibilizado carros-pipa não tem sido suficiente para abastecer toda a população.

Hoje (29) o prefeito Gederlânio Rodrigues esteve na Agespisa na busca por soluções, entretanto o presidente estava viajando, foi recebido pelo diretor Zé Maria e pelo superintendente Raimundo, o mundico,  Gederlânio Rodrigues informou que se não resolver a situação a população tem todo direito de protestar pois pagam água todo mês e não estão sendo abastecidos. Além disso, o prefeito informou que caso a Agespisa não tome as providências a prefeitura irá municipalizar o abastecimento de água, e buscará outros meios para abastecer a cidade.

O prefeito afirmou que não aguenta mais o mesmo problema todo final de ano, “a população não suporta mais, a gente não ver a Agespisa tomar uma providência séria para acabar com esse problema, sempre quem fica prejudicada é a população. Hoje a gente ver todo mundo revoltado por que não tem água. E não se ver nenhuma ação da Agespisa para evitar os desvios. Além disso, falei pra eles que a rede que temos em Jacobina foi feita há mais de 20 anos. Portanto precisamos fazer a ampliação da rede em todas as ruas, inclusive deixei claro que se eles doarem os canos a prefeitura entra com a mão-de-obra para fazermos essa ampliação da rede. Por fim deixei claro que se não tomarem a providências a prefeitura irá municipalizar o abastecimento de água”, pontuou.

A Agespisa se comprometeu em tomar as providências e imediatamente ligou para a Regional em Picos, para que resolvam todos os problemas o mais rápido possível.

Momento da ligação para a Regional em Picos.

O Gerente Regional da Agespisa em Picos, Sérgio Alves da Silva, concedeu entrevista ao Portal Cidades em Foco e disse que os maiores problemas da falta de água nos município que são abastecidos pela Barragem Poço de Marruá é a energia que não consegue funcionar as bombas e em seguida os desvios de água. Informou que já tem uma equipe trabalhando há três dias tentando resolver o problema de falta de água e acredita que até amanhã (30), o problema será resolvido.

Gerente Regional da Agespisa em Picos, Sérgio Alves da Silva

Informou que na segunda (27), foram tirados três desvios de água na rede que liga Patos à Jacobina, inclusive está sendo feito Boletins de Ocorrências para tentar inibir os desvios. Mas segundo Sérgio Alves é uma situação dificil por que há três anos equipes da Agespisa passaram duas semanas retirando os desvios, foram feito os boletins de ocorrências, os depoimentos foram colhidos mas até então nenhum envolvido teve algum tipo de pena por parte da justiça, e disse que isso desanima.


Sergundo Sérgio Alves, os mecânicos da Agespisa estão na Barragem Poço de Marruá, revisando os motores / bombas, pois tiveram problemas por falta de energia, mas jã estão funcionando. “Porém quando falta água cria ar na tubulação e esse ar precisa ser extraído para que a água chegue ao destino final”, finalizou.

Compartilhar:

Por: Fernandes Neto

Jornalista, MTb n°1840PI, Contador e Teólogo, Especialista em Tipologia.