27.9 C
Piauí
17 de outubro de 2021
Cidades em Foco
Geral Internacional

Prefeitos alegam não ter como pagar alta no piso do magistério; impacto de R$ 448 milhões para as Prefeituras do Piauí

Foto ilustrativa reprodução

Estimativa divulgada pela Confederação Nacional de Municípios (CNM), aponta que o reajuste prospectado de 31,3% no piso do magistério deve ter um impacto de R$ 448,3 milhões para as Prefeituras do Piauí. O levantamento foi feito pelos técnicos da entidade municipalista. 

No documento, a CNM, em nome do movimento municipalista brasileiro, manifesta “sua profunda preocupação com a gestão da educação no Brasil”.  As estimativas quanto ao impacto foram feitos tomando como base a portaria publicada no Diário Oficial da União (DOU) no último dia 25 de setembro. 

Em âmbito nacional, a entidade estima que o reajuste no piso do magistério, que ocorrerá em janeiro do próximo ano, na ordem de 31,3%, deve apresentar um impacto nas despesas com pessoal das administrações públicas municipais de montante superior a R$ 28 bilhões.

“Não há que se questionar a importância dos profissionais da educação para o desenvolvimento do país, mas deve-se, acima de tudo, ter responsabilidade e garantir a manutenção do ensino e da própria prestação de serviços ao cidadão pela administração pública”, aponta a CNM. 

 Entidade defende mudança no critério

A defesa da Confederação é que ocorra uma alteração no critério de atualização do valor do piso nacional dos professores, essa é considerado uma pauta prioritária do movimento municipalista. “A entidade atua, há mais de 12 anos, para aprovar o texto original do Projeto de Lei (PL) 3.776/2008, do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, com a adoção do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) nos doze meses anteriores para reajuste do piso ou, ainda, pela aprovação de nova lei federal para o piso dos professores. A pauta vem sendo reforçada pela entidade em audiências e reuniões junto a deputados e senadores, bem como autoridades do Poder Executivo Federal”, defende.

A entidade ainda explicitou a preocupação do não cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) pelos municípios. “É preciso evitar o colapso das administrações locais, especialmente em um momento de crise e que a população necessita ainda mais dos serviços públicos”, sinaliza.

Fonte: Meio Norte

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais