24 C
Piauí
18 de maio de 2022
Cidades em Foco
Geral Internacional

Privatização da Petrobras pode virar tiro no pé, dizem aliados de Bolsonaro

Jair Bolsonaro - Foto: Alan Santos/PR

O anúncio de estudos para a privatização da Petrobras é uma jogada de alto risco e pode virar um tiro no pé. A avaliação é de aliados do presidente Jair Bolsonaro que são contra a proposta num ano eleitoral.

Para eles, o governo pode estar dando munição para seus adversários e afastar eleitores.

Anunciado pelo novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, o pedido de estudos para privatizar a companhia petroleira faz parte de uma estratégia para dar ao presidente Bolsonaro um discurso na campanha eleitoral: de que ele tentou de tudo para reduzir o preço dos combustíveis, não conseguiu, e a saída é vender a estatal.

Ao afirmar que essa era a sua primeira medida à frente do ministério, para o qual foi nomeado na quarta-feira (11), Adolfo Sachsida, um apoiador de primeira hora de Bolsonaro, fez questão de afirmar que tinha autorização direta do presidente da República para fazer o anúncio.

Segundo aliados do presidente ouvidos pelo blog, a estratégia é de alto risco. Em vez de garantir um discurso para Bolsonaro se defender da alta da gasolina, do diesel e do gás de cozinha, pode se virar contra ele.

Os aliados lembram que a estatal sempre teve uma boa avaliação da população, que costuma ser contra a venda da empresa. Se a tática não funcionar, em vez de ganhar votos o presidente pode perder apoio entre eleitores.

Além disso, o tema vai ser usado pela oposição para atacar Bolsonaro. A equipe do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva já está usando o anúncio para criticá-lo, divulgar que o presidente é o responsável pela alta dos combustíveis no Brasil e que ele quer vender a empresa mais valiosa do país.

Por Valdo Cruz / G1

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais