32.2 C
Piauí
9 de agosto de 2022
Cidades em Foco
GeralSertão do Inhamuns em Foco

Produção da agricultura familiar potencializa Semiárido como maior produtor de alimentos saudáveis do Brasil

Nos últimos oito anos, milhares de famílias do Semiárido tiveram acesso a água através da mobilização social e de políticas públicas, acessaram tecnologias sociais de captação de água da chuva para a produção de alimentos, muitas implementadas pela Articulação Semiárido Brasileiro (ASA) como resultado da mobilização social. Com a possibilidade de guardar a água para continuar produzindo na época da escassez das chuvas, agricultores e agricultoras aumentaram a capacidade de garantir sua segurança alimentar. E, mesmo nos últimos cinco anos de forte seca na região, muitas conseguiram manter uma produção de alimentos para consumo e comercializar o excedente. “Mesmo nesse período de seca o número de feiras em muitos municípios da região aumentaram. Essa informação é relatada por diversas organizações da ASA que atuam nos estados”, explica Antonio Barbosa, coordenador do Programa Uma Terra e Duas Águas (P1+2) e do Programa Sementes do Semiárido, ambos da ASA.

Hoje, a agricultura familiar é responsável por cerca de 70% dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros e brasileiras e cerca de 50% dos estabelecimentos da agricultura familiar estão no Semiárido, o que confere a região um grande potencial de produção de alimentos. E a ASA, em sua ação, acredita que a região pode se tornar a maior produtora de alimentos saudáveis do país nos próximos quatro anos. “Até o ano que vem, cerca de 150 mil famílias terão acesso a tecnologias de água para a produção de alimentos em toda a região, contabilizando a ação da ASA e dos Estados. Isso significa que cerca de 10% da população semiárida poderá produzir sua própria alimentação”, explica o coordenador do programa Antonio Barbosa.

A perspectiva apontada pela ASA se deve pelo acesso a água, mas também por outros avanços enxergados pela Articulação na região, como: a preservação do patrimônio genético pelas comunidades, que guardam sementes animais e vegetais; a execução de chamadas públicas de assistência técnica e extensão rural (Ater) realizadas pelo governo com foco agroecológico; e a possibilidade de saída de um período de forte seca com a volta das chuvas. “O Semiárido como maior região produtora de alimentos saudáveis é uma perspectiva de produção de alimentos para consumo das famílias. Claro que pode existir um excedente e isso ser comercializado, mas o nosso incentivo enquanto ASA é na garantia de melhor qualidade dos alimentos e da segurança e soberania alimentar das famílias agricultoras. Esse é o debate que o Semiárido levará para a Conferência Nacional de Segurança Alimentar ”, explica Barbosa. Na conferência a ASA pautará a perspectiva do Semiárido como maior produtor de alimentos saudáveis do Brasil, a partir do incentivo à produção agroecológica e sua contribuição e esforço na implementação de seus programas, principalmente da ação do P1+2 e o Programa Sementes do Semiárido.

Comida de verdade no campo e na cidade – A 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar, que acontecerá de 03 a 06 de novembro em Brasília (DF) e tem como tema “Comida de Verdade no Campo e na Cidade: Por Direitos e Soberania Alimentar”, é um evento estratégico entre ações e iniciativas para se atingir as metas de erradicação da extrema pobreza no país. O objetivo geral é ampliar compromissos políticos para a promoção da soberania alimentar, garantindo o direito humano à alimentação adequada e saudável, a participação social e a gestão intersetorial. Werner Fuchs, integrante do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), sublinha que a relação Campo e Cidade será uma das tônicas da Conferência, “hoje as pessoas que vivem na cidade não se enxergam apenas como consumidores, mas também começam a se reconhecer como produtores de alimentos”.

Programa P1+2 da ASA, implementa tecnologias sociais de captação de água da chuva para produção de alimentos | Foto: Acervo Asacom
Programa P1+2 da ASA, implementa tecnologias sociais de captação de água da chuva para produção de alimentos | Foto: Acervo Asacom

Outro tema para o qual a Conferência vai se voltar é o consumo, cada vez maior, de alimentos ultraprocessados. O Guia Alimentar para a População Brasileira, publicado em 2014 pelo Ministério da Saúde, recomenda que a base da alimentação sejam os alimentos in natura ou minimamente processados. Outra iniciativa do Ministério de Saúde é o livro sobre alimentos regionais brasileiros que discute a possibilidade de resgatar e incentivar o consumo de alimentos regionais e sua relação simbólico-cultural. O objetivo é valorizar os itens alimentares com características regionais, apresentando-os como instrumentos de fomento e proteção do patrimônio material e imaterial.

“Tivemos muitos avanços no campo das políticas públicas de segurança alimentar, mas também houveram alguns refluxos. A Conferência é importante para reafirmarmos que não pode haver recuo no avanço da garantia da segurança alimentar”, afirma o conselheiro.  Cerca de duas mil pessoas participarão do evento, oriundas de todos os estados do Brasil, e dois terços da delegação será formada por representantes da sociedade civil. O processo preparatório da Conferência deve envolver de 70 a 100 mil pessoas até novembro. “A Conferência vai ser uma síntese desse processo e nós queremos dialogar com toda a sociedade, afirmando a diversidade da cultura alimentar brasileira que se contrapõe a monocultura alimentar imposta pelo agronegócio e pelas grandes redes de supermercados”, completa o conselheiro.

 

Catarina de Angola e Monyse Ravenna – Asacom

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais