24.9 C
Piauí
23 de setembro de 2021
Cidades em Foco
Geral Piauí

Promotores tentam arquivar PEC que muda eleição de procurador-geral

Representantes do Ministério Público Estadual (MPE) foram à Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi) pedir apoio dos deputados para arquivar a PEC 02/2016, que busca alterar as regras para candidatura ao cargo de Procurador-Geral de Justiça. O assunto é polêmico e já foi motivo de protesto na instituição.

“Hoje tivemos a oportunidade de dialogar com o presidente da Assembleia Legislativa, Themístocles Filho, e com alguns deputados estaduais, como os parlamentares Dr. Pessoa e Antônio Felix, na tentativa de sensibilizá-los para que o Legislativo possa rejeitar e arquivar essa proposta que fere a autonomia e a independência do Ministério Público”, afirma o presidente da Associação Piauiense do Ministério Público (APMP), Glécio Setúbal.

O presidente destaca, ainda, a participação de outros órgãos de combate à corrupção na sensibilização dos parlamentares piauienses contra a proposta.

“Estamos recebendo o apoio de representantes da Associação dos Magistrados Piauienses (AMAPI), integrantes da Rede de Controle do Estado do Piauí, composta por instituições de controle e defesa do Estado (TCU, CGU, TCE, CGE, TJ, MPF, TRE, AGU, Departamento Nacional de Auditoria do Sistema Único de Saúde, Polícia Civil, Polícia Federal, Receita Federal, Ministério Público de Contas e Ministério Público do Piauí). E isso fortalece nossa mobilização para que esta matéria não seja aprovada”, finaliza Glécio Setúbal.

A PEC 02/2016 exclui a possibilidade de promotores se candidatarem ao cargo de Procurador-Geral de Justiça. Apresentada pela Mesa Diretora da Alepi, a PEC altera o parágrafo 1º, do inciso III, do artigo 142 da Constituição Estadual, restringindo a candidatura ao cargo de PGJ, exclusivamente, aos Procuradores de Justiça, integrantes da carreira no efetivo exercício das funções e no gozo da vitaliciedade.

Em dezembro do ano passado, o procurador-geral Cleandro Moura liderou a primeira visita de membros do MP ao Legislativo na tentativa de barrar a PEC. Em nota na época, ele disse que foi surpreendido pela aprovação extra-pauta da matéria e que discorda do texto.

“Ressalto, que discordo  e repudio veementemente qualquer modificação legislativa que venha a restringir a participação de Promotores de Justiça na lista tríplice. Oportuno frisar que de imediato iniciei as tratativas junto ao Presidente da Alepi e demais deputados estaduais na tentativa de reverter a situação”, afirmou o procurador.

A Associação dos Magistrados Piauienses lançou nota à imprensa se manifestando contra a PEC 02/2016.

 Confira na íntegra:

A Associação dos Magistrados Piauienses vem a público manifestar-se contra a Proposta de Emenda Constitucional n° 02/2016, em tramitação na Assembleia Legislativa do Estado do Piauí (ALEPI), que trata dos pré-requisitos de candidatura ao cargo de Procurador-Geral de Justiça do Ministério Público Piauiense.

A PEC 02/2016, de autoria da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa do Piauí, restringe aos Procuradores de Justiça, integrantes da carreira no efetivo exercício das funções e no gozo da vitaliciedade, as condições para se candidatarem ao cargo de Procurador-Geral de Justiça. Ou seja, exclui os promotores de Justiça do processo eleitoral que define a chefia da instituição.

Para a Amapi, a PEC 02/2016 coloca em xeque a independência funcional do Ministério Público, contraria a Constituição Federal e fere severamente a autonomia da instituição. Frisa-se, por oportuno, que o texto da proposta não se encontra disponível no sítio eletrônico na Assembleia Legislativa do Piauí (alepi.pi.gov.br), impedindo que sua análise seja feita de forma transparente e ferindo um dos princípios da Administração Pública, qual seja a publicidade dos atos administrativos.

Importante lembrar que a Amapi luta, há anos, para democratizar o processo eleitoral no Tribunal de Justiça do Piauí a fim de permitir que os juízes também participem da escolha do presidente e vice-presidente da Corte. Hoje, apenas os desembargadores participam do processo de escolha dos gestores, impedindo que juízes de primeiro grau tenham acesso ao voto. Portanto, diminuir o colégio eleitoral do MP, excluindo os promotores de Justiça, contraria o posicionamento defendido pela Amapi, qual seja a democratização das eleições internas das Cortes.

É importante que reflitamos sobre o momento delicado pelo qual o país atravessa, com forte atuação do Ministério Público e demais instituições de controle, especialmente no combate à corrupção. Infelizmente, nesse ínterim, surgem as mais diversas tentativas de fragilizar e vulnerabilizar o Ministério Público, órgão vital para a defesa dos direitos dos cidadãos brasileiros e do regime democrático.

Portanto, em defesa da democracia, do Estado Democrático de Direito, da Constituição Federal, do Ministério Público e, principalmente, da sociedade, a Amapi se coloca publicamente contra a PEC 02/2016 e solicita o apoio dos deputados estaduais para a rejeição desta matéria limitadora e antidemocrática.

Associação dos Magistrados Piauienses

Hérlon Moraes (Com informações da APMP)

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais