33.2 C
Piauí
19 de abril de 2019
Cidades em Foco
Geral Internacional

Raquel Dodge pede arquivamento de inquérito contra Aécio no STF

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, defendeu em manifestação encaminhada nesta segunda (10) ao Supremo Tribunal Federal que seja arquivado o inquérito sobre o senador Aécio Neves (PSDB-MG), no qual ele era investigado sob suspeita de ter atuado para maquiar fatos ilícitos dos tucanos para esconder a relação do partido com o Banco Rural na CPMI dos Correios, em 2005.

A CPMI investigava pagamentos feitos pelo PT à base de apoio do então presidente, Lula (PT). À época, Aécio era governador de Minas Gerais. O esquema que o Banco Rural tinha com o PT, de adiar sucessivamente a cobrança do empréstimo, também funcionava com o PSDB de Minas, de acordo com decisões judiciais do Supremo.

Dodge diz que a Polícia Federal não encontrou provas que comprovem as declarações feitas pelo ex-senador petista Delcídio do Amaral em acordo de delação assinado em fevereiro de 2016. Segundo Delcídio, que presidiu a CPMI, Aécio enviou o então deputado federal, Eduardo Paes (PSDB-RJ), para negociar com ele para que o Banco Rural enviasse dados maquiados dados sobre empréstimos feitos aos tucanos.

Delcídio disse no acordo que chegou a se reunir com Aécio no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte, para negociar a exclusão de alguns alvos da CPMI. O ex-senador petista disse também que Aécio e seu vice-governador, Clésio Andrade, ofereceram vantagens ilícitas a ele em troca da maquiagem e da exclusão.

O episódio do empréstimo ficou conhecido como mensalão mineiro e resultou na condenação de Eduardo Azeredo, ex-governador de Minas e ex-presidente do PSDB, a 20 anos de prisão.

Na petição enviada ao Supremo, Dogde diz que a PF apresentou relatório em que diz que “é seguro afirmar que no início do segundo semestre de 2005, por intermédio de pessoa não plenamente identificada, Aécio Neves da Cunha e Clésio Soaqres de Andrade ofereceram vantagem indevida a Delcídio do Amaral para que este, na condição de presidente da CPMI dos Correios, viabilizasse o retardamento e a inadequação de remessa pelo Banco Rural de informações bancárias envolvendo as empresas de Marcos Valério”.

Segundo a procuradora-geral, isso foi feito para esconder a relação que o PSDB mineiro tinha com a instituição financeira.

Dodge afirma que o presidente da CPMI tratou de maneira incomum um pedido do Rural para adiar a entrega dos dados. O banco pediu um prazo maior no dia 3 de agosto de 2005, às 16h27. As 19h22, o Banco Central respondeu ao banco que Delcídio havia concordado com o pedido do banco.

Dodge afirma no pedido que a PF não tem perspectivas de encontrar as provas. O advogado de Aécio, Alberto Toron, já havia pedido o arquivamento da investigação por falta de provas.

É o segundo inquérito contra Aécio que foi aberto a partir da delação de Delcídio que é arquivado por falta de provas. Em 29 de junho, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo, mandou arquivar uma investigação que apurava supostas relações ilícitas de Aécio com Furnas por falta de provas. A procuradora-geral também concordou com o arquivamento desse inquérito.

Em nota, o senador diz que a “PGR fez justiça demonstrando a irresponsabilidade de denúncias sem fundamento e de inquéritos abertos sem que haja indícios mínimos que os justifiquem e que servem apenas para gerar desgastes e explorações políticas.”

Ainda segundo Aécio, a “defesa considera ainda que, se comprovada a falsidade das acusações, o delator deve ser responsabilizado”.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)

Notícias relacionadas

Assistência Social realiza evento e reúne cerca de 400 mulheres em Lagoa do Barro do Piauí

Junior Oliveira

Conselho de Ética aprova parecer pela cassação de Eduardo Cunha

Junior Oliveira

Bispo Dom Plínio de Picos visita escolas em Curral Novo do Piauí

Junior Oliveira

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais