28.2 C
Jacobina do Piauí
21 de setembro de 2023
Cidades em Foco
GeralPolítica

Reforma Tributária será pauta no Senado até dia 15 de outubro, afirma líder do governo

Congresso / Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

 O líder do governo no Senado, Jaques Wagner (PT-BA), afirmou neste domingo (17) que a Reforma Tributária deve passar pelo Senado até dia 15 de outubro.

Até esse prazo, o texto deve ser votado na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) e no plenário. Wagner acompanha o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante viagem a Nova York (EUA) para participar da Assembleia-Geral das Nações Unidas.

O senador afirmou que o relator ainda está trabalhando no texto. “Várias coisas podem dar dor de cabeça. A Câmara aprovou numa certa rapidez”, disse a jornalistas, ressaltando que há muitas reclamações de setores.

Sobre a pressão para que as novas alíquotas de imposto sejam incluídas na PEC (proposta de emenda à Constituição), Wagner afirmou que a ideia é absurda.

“Estamos com um mau hábito no Brasil de achar que para algo funcionar, precisa estar na Constituição.”

O líder do governo também disse que a proposta não deve ser fatiada. A ideia vem sendo levantada como uma opção para facilitar a aprovação de pontos que enfrentam menor resistência.
Wagner deve acompanhar o presidente em um encontro nesta noite com empresários. O jantar, oferecido pela Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), também deve ter a presença do líder da entidade, Josué Gomes da Silva, do ministro Fernando Haddad (Fazenda), e dos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Segundo Wagner, Lula deve mais ouvir do que falar durante a reunião.

O presidente chegou ao hotel em Nova York por volta das 23h no horário local. Um grupo de apoiadores o aguardava, cantando músicas e acompanhado por uma pequena bateria.

De acordo com a assessoria, Lula não deve ter agendas neste domingo além do encontro com empresários. Até agora, o único encontro bilateral confirmado do petista é uma reunião com o presidente americano, Joe Biden, na quarta-feira. Depois, os dois participam de um evento para lançar uma iniciativa sobre trabalho decente no século 21.

Existe um pedido informal de encontro entre Lula e o presidente ucraniano, Volodimir Zelenski. Segundo Wagner, o governo brasileiro ofereceu duas opções de data, mas ainda não há confirmação.

Os dois têm uma relação turbulenta. Às margens do G7, no início do ano, houve uma tentativa de encontro, mas que acabou frustrada. Cada lado culpa o outro.

A equipe de política externa do governo diz que há mais de 50 pedidos de encontros bilaterais e participação em eventos para Lula às margens da ONU. Segundo Wagner, é um “problema bom”, mas delicado, para evitar que uma eventual recusa seja mal interpretada.

Lula abre o debate de alto nível do encontro anual das Nações Unidas nesta terça. Tradicionalmente, o Brasil é o primeiro a falar.

Fonte: Folhapress/Fernanda Perrin

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais