Rodrigo Martins diz que não admite aliança entre PSB e PT e avalia mudar de sigla

A possível aliança entre PSB e PT no âmbito nacional visando as eleições 2018 terá consequência nos estados. No Piauí, por exemplo, especula-se a debandada dos três deputados federais do partido para outras siglas: Rodrigo Martins, Heráclito Fortes e Átila Lira.

“O PSB tem dado uma guinada muito para o lado do PT. Eu tenho um posicionamento muito claro: sou ideologicamente de centro esquerda. Não me acho nem de direita, nem somente de centro, mas não consigo admitir a possibilidade do PSB tomar uma posição em âmbito nacional para compor com o PT, depois de tudo isso que nós observamos no Brasil, de toda essa crise política, economia, financeira e moral”, disse Rodrigo Martins.

A situação tem deixado os parlamentares insatisfeitos e o caminho aberto para que líderes de outras legendas se aproximem. Rodrigo Martins, por exemplo, já recebeu convites do DEM e Solidariedade.

“Fui procurado por dois partidos. O Rodrigo Maia é muito correto e nos procurou para ingressar nesse novo partido que vão criar. O solidariedade também me convidou, mas não tem nada decidido ainda”, declara.

Rodrigo disse que tem até março do ano que vem para avaliar se deixa ou o PSB. O deputado deixou claro que no âmbito local, não há nada que o force sair do partido.

“A reforma política deixou claro que a janela só pode acontecer a partir de março, no final do mandato. Até lá nós temos esse tempo para debater. Tenho dois amigos no PSB, o Heráclito e o Átila, e estamos dialogando e debatendo também com o presidente do diretório estadual Wilson Martins para traçar uma estratégia. No ponto de vista local estou satisfeitíssimo. A questão realmente é que o partido vive uma briga interna desde a morte do Eduardo Campos”, finalizou.


Hérlon Moraes / CidadeVerde

Compartilhar:

Por: Júnior Oliveira

Diretor Geral