34.8 C
Piauí
29 de junho de 2022
Cidades em Foco
Educação Geral

Secretária vai a Brasília para pedir liberação de recursos para alfabetizar 48 mil alunos

Com o propósito de erradicar o analfabetismo no Piauí, a secretária de Estado da Educação, Rejane Dias, solicitou nesta quarta-feira(17) ao secretário Executivo Substituto do MEC, Wagner Vilas Boas de Souza, a liberação de recursos para começar o Programa Brasil Alfabetizado no Piauí.

“Elegemos a Educação de Jovens e Adultos (EJA) uma das prioridades na Seduc”, afirma a secretária. “Nós já estamos com as matrículas prontas de cerca de 48 mil alunos, de 15 a 72 anos, e esperando para dar o resultado do processo seletivo de professores e coordenadores de turmas”, declarou.

Acompanhada pela diretora da Unidade de Educação de Jovens e Adultos da Seduc, Conceição Andrade, Rejane pediu recursos do MEC para três programas voltados para estimular esse público que irá cursar o Brasil Alfabetizado: o Olhar Brasil (a fim de identificar alunos com problemas visuais e solucioná-los), o Brasil Sorridente (programa de saúde bucal) e o Mulheres Mil, que é um programa do Pronatec voltado para mulheres analfabetas.

Conceição explica que existem dois tipos de analfabetos: “o absoluto, que não sabe ler nem escrever, e o funcional, que consegue ler e escrever, mas não consegue interpretar os textos, e só tem até quatro anos de estudo”. O curso será de oito meses. Após esse período, o aluno já sai preparado para dar continuidade à segunda etapa do EJA. “Cabe esclarecer que a alfabetização é a porta de entrada para o EJA”, ressalta Conceição.

Projovem Campo

Rejane Dias solicitou ainda, apoio do MEC para a ampliação do programa Projovem Campo – Saberes da Terra. “Hoje nós temos, no Piauí, 40 municípios atendidos pelo Projovem, com cerca de dois mil alunos”, informa. “Trata-se de um curso de EJA, mas que sai com qualificação profissional para o campo, voltado para a agricultura familiar.” O Estado, no entanto, não poderá beneficiar os 90 municípios que já tem a oferta pela rede municipal.

“O terceiro pedido que fizemos se refere aos cursos de curta de duração, o FIC Pronatec, voltado para a EJA”, conclui a secretária.

 

 

Cidade Verde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais