Servidores da Educação de Sussuapara realizam protesto contra atraso do salário

Ainda sem receber o salário referente ao mês de dezembro do ano passado, servidores públicos de Sussuapara lotados na Secretaria Municipal de Educação, realizaram na manhã de ontem, 16, uma manifestação de protesto contra o prefeito Edvardo Antônio da Rocha, o Pé Trocado (PP).

A manifestação foi realizada às 10 horas da manhã de ontem, na sede da Prefeitura Municipal de Sussuapara. Portando cartazes com frases de efeito, os servidores cobraram do prefeito Pé Trocado (PP) o pagamento do salário referente ao mês de dezembro de 2017 e uma data base para a categoria.

O protesto foi organizado pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Sussuapara (Sindsermus) e contou com a adesão de vários trabalhadores do setor de Educação.

Segundo o presidente do Sindsermus, Luís Acleude, o atraso é referente ao mês de dezembro de 2017, pois, até o momento os professores, secretários de escolas, vigias, merendeiras e zeladoras, ainda não receberam o pagamento dos seus salários.

O sindicalista informou que em dezembro de 2017 existiam mais de 300 mil reais na conta do Fundeb de Sussuapara e agora, no dia 15 de janeiro de 2018, já tinham mais de 93 mil reais nas contas do Fundeb do município. Por isso ele entende que o pagamento poderia ter sido efetuado dentro do prazo legal, porém, não foi isso que aconteceu.

Presente à manifestação o professor José Carvalho Rocha disse que os servidores da educação estão desmotivados em razão do atraso dos seus salários. Ele também criticou a retirada do segundo turno de vários trabalhadores, reduzindo pela metade o salário deles.

“Eu fui secretário municipal de Educação de Sussuapara entre os anos de 2005 e 2012 e nesse período nós pagávamos o salário dos servidores no dia 25 ou 26, dentro do mês, nunca chegamos ao dia 30 sem pagar. Os trabalhadores da Educação já estavam acostumados a receber em dia, por isso não aceitam esse atraso” – reclamou.

Acordo           

Em nota o Sindsermus informou que, após a manifestação de protesto uma comissão se reuniu com o prefeito Pé Trocado e este propôs efetuar o pagamento de janeiro na próxima sexta-feira, 19. No entanto, sem o reajuste anual do piso salarial do professor, fixado em 6,81%, ficando em R$ 2.455,35 para uma jornada de 40 horas semanais. Quanto ao pagamento de dezembro de 2017, o gestor prometeu para o dia 31 deste mês.

O presidente do Sindsermus, Luís Acleude, disse que a categoria aceitou o acordo, que não foi documentado e nem assinado. Advertiu, porém, que caso o mesmo não seja cumprido, os servidores manterão a pauta de mobilização definida em assembleia realizada no último dia 15 de janeiro.

 

 

Fonte: JP On Line