25.9 C
Piauí
3 de abril de 2020
Cidades em Foco
Educação Geral Política

Servidores do Piauí terão reajuste na forma de auxílio alimentação

Depois da mensagem específica para os servidores da Educação, o Governo do Piauí deve enviar à Assembleia Legislativa até quarta-feira (19) uma mensagem que abrange todos os demais servidores estaduais. Segundo o secretário de Administração, Merlong Solano, a mensagem terá dois eixos principais:

– reajuste de 4,31% na forma de auxílio de alimentação (esse percentual corresponde à inflação do ano passado)
– autorização da Assembleia Legislativa para que o Estado esteja autorizado a todos os anos conceder reajustes na proporção da inflação.

“A estimativa é que o acréscimo de receita seja de R$ 200 milhões por ano, se a inflação se mantiver em torno dos 4%”, ressalta o secretário.

Questionado sobre a incapacidade do governo de dar aumento por estar no limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), Merlong explicou que a expectativa do governo é sair da LRF ainda neste quadrimestre. “Mas, por enquanto, a gente tem a possibilidade de reajuste no auxílio alimentação. Como salário, não podemos”, enfatiza.

Educação

A mensagem para os servidores da Educação foi enviada ontem à Assembleia Legislativa. A proposta é de reajuste salarial de 4,17%, para compensar um auxílio alimentação que foi dado no ano passado. Esse percentual contempla aposentados e pensionistas. No caso dos ativos, o percentual será transferido do auxílio alimentação para o salário.

A mensagem também apresenta o novo piso dos professores do Estado, de R$ 3.167,17, acima do piso nacional, que é de R$ 2.888,24, e a decisão de colocar como salário inicial da categoria o valor de R$ 3.595. “Os concursos realizados daqui para frente terão esse salário como inicial, para qualquer servidor 40 horas na área do magistério”, esclarece Merlong.

Sem possibilidade de aumento

Merlong frisou ainda que o governo não tem como flexibilizar a proposta, mesmo com a continuidade da greve. “A situação financeira do Estado continua muito delicada. Tivemos decisões do governo federal que reduziram os recursos do Fundeb. Por exemplo, o coeficiente de participação caiu de um terço para 0,29%. Isso dá um prejuízo na ordem de R$ 70 milhões”, completa o secretário.

“O Estado não tem condições de absorver novos aumentos. Estamos apelando para o bom senso”, finaliza.

Fonte: CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais