35.3 C
Piauí
27 de julho de 2021
Cidades em Foco
Geral Polícia

Sindicância vai investigar se houve omissão de três guardas na agressão a travesti

Foto: Reprodução/vídeo

Uma sindicância foi aberta na manhã desta quarta-feira (21) para investigar a conduta de três agentes da Guarda Municipal de Teresina que presenciaram um caso de agressão contra uma travesti suspeita de furto na última segunda-feira, no residencial Parque Brasil III, zona norte de Teresina. De acordo com comandante da GCM, André Viana, o objetivo do procedimento é avaliar se houve falhas ou omissão durante a abordagem.

“É uma sindicância que visa avaliar as situações da ocorrência e tentar entender se houve excesso, omissão ou alguma falha no procedimento”, explicou

A sindicância deve ter duração de 30 dias e será composta por membros da própria Guarda Municipal, que irão avaliar os várias aspectos relacionados à ocorrência.  Os vídeos e fotos devem ser periciados, como auxílio da Polícia Civil.

Apesar de destacar que aguarda o encerramento da sindicância que apura a conduta da equipe que atendeu a ocorrência, o comandante da GCM faz questão de afirmar que acredita que os vídeos que circularam nas redes foram editados e não estão em ordem cronológica.

“Ali teve dois fatos. Ela foi espancada no bagageiro, antes da guarnição chegar. Quando a guarnição chegou, tentando tomar ciência da situação, foi surpreendida por aquela rasteira. Se você ver o vídeo, a equipe, cerca de 47 segundos depois que chega, já estava ordenando que fosse desamarrada e conduzindo todo mundo para a Central de Flagrantes, inclusive aquele rapaz que está segurando a corda”, destacou o comandante da GCM.

Entidades repudiam tortura

As imagens do momento em que a travesti é espancada e amarrada repercutiram nacionalmente nas redes sociais, o que motivou diversas entidades a emitirem posicionamento condenando a ação e cobrando apuração da postura dos agentes da Guarda Municipal de Teresina.

A Gerência de Enfrentamento a LGBTFOBIA da Superintendência de Direitos Humanos da SASC, informou que está tomando todas as providências necessárias para apuração do caso e anunciou que irá fazer uma visita domiciliar a travesti.

“A equipe da Gerência de Enfrentamento à LGBTFOBIA da Superintendência de Direitos Humanos da SASC irá fazer uma visita domiciliar a travesti, para que possamos disponibilizar a ela os serviços sóciossistênciais, não somos a favor do ato ilícito feito por ela, porém não aceitamos nenhum tipo de tortura a nenhuma pessoa, independentemente de sua orientação sexual e tampouco identidade de gênero,  pois sabemos que no Brasil tortura é crime”, diz um trecho da nota, assinada pela gerente de Enfrentamento a LGBTfobia, Joseane Borges.

A Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), por meio da Gerência de Direitos Humanos (GDH),  também defendeu a apuração dos fatos.

A Antra (Associação Nacional dos Travesti e Transexuais) repudiou os ataques e classificou como ação de “tortura, violência e transfobia”.

Fonte: Natanael Souza / CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais