31.5 C
Piauí
19 de abril de 2019
Cidades em Foco
Geral Internacional

Sobre ministérios, Haddad confirma convite a Cortella e diálogo com Joaquim Barbosa

O candidato à Presidência Fernando Haddad (PT) confirmou nesta segunda-feira (15), em entrevista à Rádio Bandeirantes, que sugeriu a Mario Sergio Cortella que ocupasse o Ministério da Educação num eventual governo petista. O candidato também confirmou o diálogo com o ex-ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Joaquim Barbosa.

O questionamento sobre a equipe ministerial de um eventual governo de Haddad veio após a divulgação nas redes sociais de uma imagem falsa que copia o logo e elementos visuais da campanha do petista e mostra que sua equipe contaria com Drauzio Varella (Ministério da Saúde), general Eduardo Villas Boas (Defesa), Mario Sergio Cortella (Educação), Joaquim Barbosa (Justiça), Luiza Trajano (Desenvolvimento) e Ciro Gomes (Fazenda).

Haddad disse que o ex-ministro Joaquim Barbosa o recebeu em sua casa em Brasília para conversarem sobre o momento do país, mas não confirmou nem negou o convite.

Já sobre Cortella, Haddad disse que ele é uma pessoa próxima e que antes de ser cogitado como candidato, falou a ele que se tivesse alguma influência, sugeriria o nome dele para a Educação. O petista disse ainda que trocou telefonemas com o filósofo e escritor recentemente, por ser seu amigo.

Questionado sobre a mudança da cor do material da campanha e ausência de Lula nas peças, Haddad disse que o movimento foi feito para evitar o isolamento da sigla e a vitória de Bolsonaro. “Não posso ser irresponsável de me isolar dentro de um quadro tão tenebroso quanto a eleição desse senhor”, disse.

A entrevista foi marcada por momentos de bate-boca com o locutor Zé Paulo, que interrompeu a fala do candidato, que atribuía a violência no segundo turno da disputa ao discurso de Jair Bolsonaro, para dizer que foi ele a vítima de uma facada. Apesar disso, o petista seguiu com as críticas, citando falas polêmicas do parlamentar.

Quando Haddad acusou Bolsonaro de ter sido expulso do Exército, o locutor argumentou que ele havia esclarecido o assunto em entrevista, no que o candidato o acusou de esconder fatos sobre o adversário.

“Você quer negar o passado dele pra quê? Para tapear a população? A impressão que eu tenho é que a gente quer repaginar o Bolsonaro para tornar ele palatável para a população”, declarou.

FOLHAPRESS

Notícias relacionadas

Bocaina e mais nove cidades do Piauí possuem mais eleitores que habitantes, revela pesquisa

Junior Oliveira

Detentos de Paulistana e Betânia aproveitam falta de policiais e fogem de presídio de Picos; Veja!

Junior Oliveira

Candidato único, Gil Carlos promete unificar APPM; Veja!

Junior Oliveira

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais