20.3 C
Piauí
21 de setembro de 2020
Cidades em Foco
Concursos Destaque Geral

STJ decidirá dia 22 se concurso dos cartórios do Piauí terá continuidade

Foto: Divulgação/STJ

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) marcou para o próximo dia 22 de setembro a sessão de julgamento que pode destravar o andamento do concurso dos cartórios do Piauí. O certame se arrasta desde 2013, após ter sido alvo de diversas ações judiciais, e está suspenso desde junho do ano passado, por liminar do ministro do STJ Gurgel de Faria.

A marcação foi publicada nesta sexta-feira (11) na pauta de julgamentos da primeira turma do Superior Tribunal de Justiça. A informação também foi confirmada pelo Tribunal de Justiça do Piauí, por meio de sua assessoria de imprensa.

A expectativa é que os ministros analisem a matéria e decidam pela continuidade das próximas etapas do concurso, que visa delegar os serviços notariais e registrais do Estado do Piauí para os aprovados.

A seleção teve 1.756 inscritos que disputaram vagas em 239 unidades extrajudiciais do tribunal. Um resultado provisório chegou a ser divulgado pelo Tribunal de Justiça do Piauí em junho do ano passado, pouco antes do certame voltar a ser suspenso.

De acordo com um levantamento realizado pela Vice Corregedoria do TJ-PI, divulgado no último mês de julho, no Piauí existem atualmente 241 serventias extrajudiciais vagas, em diversos municípios.

O Advogado Ian Cavalcante, vice-presidente da Comissão Nacional de Direito Notarial e Registral da OAB, participou da articulação para a retomada da discussão a respeito do concurso no STJ. Ele argumenta que, no Piauí, a maioria dos cartórios é administrada por interinos, que não possuem autonomia para realizar o trabalho e não conseguem realizar investimentos para a melhoria do serviço.

“Ele não consegue investir em novos meios de informação e segurança. Não consegue a aquisição de sistemas ou plataformas que agilizem o serviço, na contratação de bons funcionários e assessorias que possam corresponder a um serviço de excelência. E isso tem que acabar”, avalia o advogado.

Foto: Divulgação/Ascom

“Tivemos muita ajuda na intermediação para que esse processo viesse em pauta. Somos gratos ao Conselho Nacional de Justiça, colegas advogados, e o próprio Superior Tribunal de Justiça, que foram determinantes para este marco tão importante para nosso Estado”, completa.

Fonte: Natanael Souza / CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais