33.1 C
Piauí
21 de junho de 2021
Cidades em Foco
Geral Polícia

Suspeito de integrar facção criminosa do DF é preso no Piauí

Operação Tríade: suspeito de integrar facção criminosa do Distrito Federal é preso no Piauí — Foto: Divulgação/Policia Civil

Um homem de 22 anos foi preso nesta quarta-feira (9), em Pajeú do Piauí, município a a 409 km de Teresina. Ele é suspeito de integrar uma facção criminosa investigada por homicídios, tráfico de drogas e de armas no Distrito Federal.

A Polícia Civil deflagrou a Operação Tríade e cumpriu 14 mandados de prisão preventiva e 12 de busca e apreensão contra chefes da organização presos no Centro de Detenção Provisória, no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, e em endereços de Goiás, Piauí e São Paulo.

Com o suspeito foi apreendido um revólver. O homem é natural de Osasco (SP) mas, segundo a polícia, reside no estado desde 2016.

“Ele fazia o intercâmbio de mensagens dos membros da organização criminosa que estão privados de liberdade com aqueles que estão na rua. O homem possui passagens por tráfico de drogas em 2018 e por atos infracionais análogos ao tráfico ainda quando ele era menor de idade”, disse o delegado Yan Brayner, responsável pela prisão.

O suspeito foi encaminhado para a penitenciária de São Raimundo Nonato, onde ficará à disposição do poder judiciário.

Crime organizado

A investigação durou um ano e quatro meses e, ao longo desse período, os investigadores monitoraram a atividade dos chefes do esquema criminoso. Segundo a Polícia Civil, o grupo cometia crimes por meio da divisão de tarefas, usando um “sofisticado mecanismo de divisão de funções”.

O modo de agir dos criminosos deu nome à operação (Tríade), considerando as atividades de três setores vistos pela polícia como os principais para sustentação da facção:

  • coordenadores das atividades dentro do presídio,
  • chefes da atuação nas ruas e
  • o grupo que fazia a ligação entre eles.

Além disso, a investigação apontou que havia um grupo responsável pelo tráfico de drogas, criminosos que faziam a comunicação entre presos e os envolvidos nas ruas e outros que, segundo a polícia, “controlavam territórios” fora dos presídios.

Fonte: G1-PI

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais