20 C
Piauí
13 de agosto de 2020
Cidades em Foco
Geral Polícia

Suspeitos de superfaturar testes para Covid podem pegar até 20 anos de prisão

Foto Roberta Aline

Investigados na operação Reagente deflagrada pela Polícia Federal no Piauí estão sujeitos a prisão de até 20 anos se comprovados os crimes de fraude a licitação, desvio de recursos públicos, uso de documentos falsos, associação criminosa, entre outros. Empresários e pessoas ligadas a prefeituras de 30 cidades piauienses estão sob suspeita da PF por envolvimento em um esquema criminoso de superfaturamento de testes rápidos para a Covid que eram comprados de R$ 55 e vendidos até R$ 210.

“São crimes graves. Existe a possibilidade de prisão. A totalização das penas chega a 20 anos. Inicialmente não foram expedidos mandados de prisão nessa fase inicial ostensiva da operação”, disse a superintendente da Polícia Federal no Piauí, Mariana Paranhos Calderon.

Em Teresina, o alvo da operação foi a empresa Prodlab Produtos Laboratoriais. Já no interior do estado, órgãos ligados ao poder executivo municipal. Participaram da operação da PF, auditores e técnicos do TCE/PI e do DENASUS. Mariana Paranhos ressalta que a operação Reagente segue em andamento.

“Dispensa de licitação não significa ausência de licitação, nem a ausência de um procedimento formal. O que foi observado pelo relatório do TCE é que houve provável utilização de documento falso para simular a composição de preço e, desse modo, direcionar o procedimento de dispensa de licitação. Será feita a análise do material apreendido, documentos e notas para a gente conseguir concluir pela participação de uma ou mais empresas”, finaliza Paranhos.

Fonte: Graciane Sousa / CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais