23.6 C
Piauí
16 de julho de 2019
Cidades em Foco
Economia Geral

Taxa de desemprego registra leve alta no Piauí

O desemprego continua aumentando no país. No 1º trimestre de 2019 a taxa de desocupação estava em 12,7%, o que significa 1,1 ponto percentual acima do trimestre anterior (11,6%) e 0,4 ponto percentual abaixo do 1º trimestre de 2018, quando o desemprego atingia 13,1% da população.

As informações foram divulgadas nesta quinta-feira (16), na PNAD Contínua Trimestral, do IBGE. O percentual representa 13,4 milhões de brasileiros.

No Piauí, o desemprego também aumentou, mas em ritmo menor. No quarto trimestre de 2018, a taxa de desocupados era de 12,3%. No primeiro trimestre de 2019 passou para 12,7% – uma alta de 0,4 ponto percentual. Para o IBGE, a taxa se manteve estável, porque a variação foi pequena.

A população do Piauí considerada ocupada caiu de 1.278.000 para 1.264.000 de um trimestre para o outro. Enquanto a população desocupada subiu de 178 mil para 184 mil piauienses.

O único estado brasileiro que teve redução da taxa de desemprego no período foi Rondônia, que caiu de 9% para 8,9%. O maior aumento foi registrado no Acre, que passou de 13,1% para 18% – uma alta de 4,9 pontos percentuais.

Em relação ao mesmo período do ano passado, o desemprego diminuiu no Piauí, já que na época, a taxa estava em 13,2%.

Histórico
A menor taxa de desemprego registrada no Piauí foi no 4º trimestre de 2014, quando 5,9% da população estava sem trabalho. A maior taxa foi no segundo trimestre de 2017, quando afetou 13,5% da população, no auge da crise econômica.

Perfil do emprego no Piauí
(comparação entre o 4º trimestre de 2018 e o 1º de 2019)

– Com carteira assinada: caiu 5,5% (de 244 mil piauienses para 231 mil). Apenas Acre teve queda maior (-6,9%) e os demais estados se mantiveram estáveis.

– Sem carteira assinada: caiu de 223 mil piauienses para 210 mil, mas é considerado estável.

– Por conta própria: subiu de 396 mil piauienses para 400 mil, mas é considerado estável pelo IBGE.

– Empregadores: caiu de 57 mil para 56 mil.

Rendimento médio cresce

O rendimento médio habitual mensal: subiu de R$ 1.420 para R$ 1.508 – uma alta de R$ 88. É o maior rendimento médio para o Estado desde 2012, mas ainda é o segundo pior do país. Apenas o Maranhão apresenta rendimento menor: R$ 1.414.

Subutilizados

A taxa de subocupação por insuficiência de horas trabalhadas, que é quando a pessoa trabalha menos do que gostaria, combinada à desocupação, ficou estável em 30,5% no Piauí. É a terceira maior do país. As duas piores taxas são a da Bahia (31,1%) e Amapá (30,7%).

No 1º trimestre de 2019, a taxa composta de subutilização da força de trabalho foi de 25% no país, o que representa 28,3 milhões de pessoas, recorde da série.

Piauí (41,6%), Maranhão (41,1%) e Bahia (40,4%) apresentaram as maiores taxas, e as menores foram em Santa Catarina (12,1%), Rio Grande do Sul (15,5%) e Mato Grosso (16,5%). A taxa do Piauí aumentou 0,1 ponto percentual.

Do CidadeVerde

Notícias relacionadas

Prefeito inaugura nova secretaria de educação em Curral Novo do Piauí. Veja fotos!

Junior Oliveira

Sãojuliãoense cai de andaime de 5 metros de altura em obra na República Dominicana

Junior Oliveira

Parceria Votorantim pela Educação inicia atividades em Curral Novo do Piauí, Araripina e Santa Filomena

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais