25.2 C
Piauí
20 de agosto de 2022
Cidades em Foco
GeralSertão do Inhamuns em Foco

Tecnologia simples dá vida longa para cajueiros no Piauí

Práticas simples,  como substituição de copas, manejo e enxertia, em um processo de rejuvenescimento, dão vida longa para os cajueiros. A recomendação do pesquisador José Lopes Ribeiro vem mostrando força nos últimos oito anos na região sudeste do Piauí, onde estão concentrados os maiores pomares do estado. O município de Picos, a 307 quilômetros de Teresina, é o maior produtor de caju.

 

As pesquisas a partir de 2006, com Unidades de Observação,  apresentaram resultados animadores. A produtividade de castanha do cajueiro-comum ou de elevado porte  variou de 414 quilos por hectares a 853 quilos por hectare. No ano seguinte, a produtividade oscilou entre 455 quilos por hectare e uma tonelada por hectare. No terceiro e quarto ano, houve um pequeno recuo: a produtividade variou de 446 a 816 quilos por  hectare.

 

Segundo o pesquisador, a tecnologia do rejuvenescimento é recomendada para o cajueiro-comum com até 20 anos de idade, “ou para plantas enxertadas de cajueiro-anão-precoce que estejam com ramos entrelaçados e produtividade reduzindo ano após ano”. Ele explica que o rejuvenescimento apresenta as mesmas fases da substituição de copas, “mas apenas a enxertia não é realizada”.

 

José Lopes Ribeiro aponta as vantagens da substituição de copas: “redução da altura e uniformização das plantas, facilidade de execução no controle de pragas e doenças, colheita manual, elevação da produtividade e aproveitamento dos sistemas radiculares, além do menor custo de implantação por hectare”.

 

No Nordeste, a cajucultura tem grande importância econômica e social, gerando emprego e renda no meio rural, principalmente no período de seca. A maioria dos pomares é explorada por pequenos e médios agricultores. Segundo o IBGE, o Estado do Ceará permanece na frente como o maior produtor de castanha, além de ter a maior área plantada. Em 2014, foram 88.022 toneladas numa área de 382.621 hectares. O Rio Grande do Norte ocupa a segunda posição: 31.076 toneladas numa área de 112.779 hectares. Na terceira posição está o Piauí,  com 12.347 toneladas de castanha em 92.338 hectares.

 

 

 

Fonte: Acesse Piauí

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais