35.4 C
Piauí
3 de dezembro de 2021
Cidades em Foco
Geral Piauí

TRE nega pedido de cassação da prefeita de Santana do Piauí

Em decisão unanime o Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE-PI) negou hoje pela manhã recurso interposto pela coligação “A Vitória que o povo quer”, formada pelos partidos do MDB, PSB e PT, que pedia a cassação do mandato da prefeita de Santana do Piauí, Maria José de Sousa Moura (PP).

Na Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) a prefeita Maria José é acusada de abuso de poder econômico e abuso de poder político/autoridade. Em razão disso, a coligação adversária pediu a cassação do seu mandato alegando compra de votos.

Em primeira instância o pedido foi negado pelo juiz da 62ª zona eleitoral, com sede em Picos, José Airton Medeiros de Sousa. A sentença foi prolatada no dia 18 de setembro de 2017. Insatisfeita, a coligação encabeçada pelo ex-prefeito Ricardo José Gonçalves (MDB) decidiu recorrer e impetrou recurso junto ao (TRE-PI) para tentar reverter à decisão de primeiro grau, o que foi negado.

Em sessão realizada na manhã desta terça-feira, 20, a corte seguiu o voto do relator, juiz Antônio de Pádua Sales, e negou o pedido de cassação da prefeita, mantendo a decisão de primeira instância. A coligação encabeçada pelo ex-prefeito Ricardo José Gonçalves (MDB) vai recorrer da decisão ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Decisão

“Resolveu o Tribunal, à unanimidade, nos termos do voto do relator e em consonância com o parecer ministerial de fls. 795/800-v, dos autos, conhecer e negar provimento ao recurso, para manter intacta a sentença de primeiro grau que julgou improcedente a Ação de Investigação Judicial Eleitoral e julgar extinto o processo sem resolução de mérito, nos termos do art. 485, inciso IX, do CPC, em relação ao investigado/recorrido Francisco Raimundo Moura, em virtude de seu falecimento”.

Entenda o caso 

Nas eleições de outubro de 2016 a coligação “Santana melhor para todos”, composta pelos partidos do PTB, PP e PSD, era encabeçada pelo então presidente da Câmara, Francisco Raimundo de Moura, o Chico Borges (PTB). Ele acabou eleito, mas faleceu vítima de acidente de carro no dia da posse. Em seu lugar assumiu a vice, Maria José de Sousa Moura (PP).

Na Ação de Investigação Judicial Eleitoral a coligação encabeçada por Ricardo Gonçalves, acusa o adversário de praticar atos que caracterizam captação ilícita de sufrágio, a popular compra de votos; abuso de poder político e conduta vedada. Por conta disso pediu a cassação do mandato da prefeita Maria José de Sousa Moura (PP).

Na denúncia a coligação alega que fora flagrada grande aglomeração de pessoas na casa de Raimundo Honorato no dia 2 de outubro de 2016, data das eleições. Acrescenta ainda que o mesmo, juntamente com outras pessoas devidamente nominadas, apoiavam as candidaturas de Chico Borges e Maria José.

Argumentam também que Chico Borges teria prometido a Secretaria de Saúde para o ex-prefeito Deusimar Borges Leal e, que ainda teria havido abuso dos meios de comunicação através de pagamentos feitos pela Câmara de Vereadores a um determinado portal de internet.

De fato o ex-prefeito Deusimar Borges Leal, cunhado da atual prefeita Maria José (PP), fora nomeado por ela no início da gestão para exercer o cargo de Secretário Municipal de Saúde. Porém, cinco meses depois, ele pediu exoneração e foi substituído por Francisco José de Carvalho, o Francisquinho.

 

Fonte: Jornal de Picos

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais