20.1 C
Piauí
20 de agosto de 2019
Cidades em Foco
Geral Piauí

Tribunal do Júri inocenta advogado acusado de mandar matar deputado no Piauí

O Tribunal do Júri inocentou o advogado Virgílio Bacelar de Carvalho, que foi acusado de mandar matar o deputado estadual Francisco Abraão Gomes de Oliveira.

O julgamento durou cerca de 15 horas. O crime ocorreu em agosto de 1989 e 27 anos depois é julgado na iminência de ser prescrito.

Virgílio falou por cerca de 2horas, se defendeu e chorou durante o seu depoimento.

Atualizada às 17h

O advogado Virgílio Bacelar de Carvalho, acusado de mandar matar o deputado estadual Francisco Abraão Gomes de Oliveira, falou por mais de duas horas durante seu julgamento pelo crime, que teve início por volta das 9h desta segunda-feira (24). Ele chorou por três vezes e negou a autoria do assassinato. O deputado foi morto a tiros quando chegava em casa no dia 29 de agosto de 1989

Quatro pessoas foram ouvidas desde às 9h: a viúva de Alcides Nery do Prado, julgado e condenado como sendo o pistoleiro contratado para matar o parlamentar; o policial militar que estava de plantão no dia em que o carro em fuga passou pela Monte Metálica; o contador Clarindo Carvalho e o ex-vereador de Porto, Pedro de Sousa Lima.

O PM disse em seu depoimento que reconheceu o policial civil de nome Cardoso Moreira da Silva – suspeito de participar do crime. Já Clarindo Carvalho, que era contador da prefeitura de Porto, confirmou que fez um depósito no valor de 100 mil cruzeiros para Alcides a pedido de Virgílio.

A quarta pessoa ouvida foi o ex-vereador de Porto, Pedro de Sousa Lima, que confirmou a rivalidade que existia entre o advogado e o deputado estadual.

Ao prestar depoimento, Virgílio chorou por 3 vezes e disse não saber o motivo da acusação do crime. Ele admitiu que conhecia Alcides há mais de 10 anos. O dinheiro, de acordo com o réu, era para a compra de ouro.

É o segundo julgamento de Virgílio. O primeiro aconteceu em 2000 e foi anulado, após a suspeita de coação do júri. A previsão é que o julgamento termine por volta da meia-noite.

O advogado da acusação, João Malato, disse que o réu tentou manipular e ameaçou familiares do júri. Indignado, o advogado disse que ele conseguiu por 17 anos protelar o julgamento. “Nunca vi em todos esses anos essa proeza. São 17 anos de recurso atrás de recurso. O último foi mês passado que conseguiu adiar, já que estava na iminência de prescrever”, disse.

O advogado afirmou ainda que se demorasse mais um mês, o crime seria prescrito. “Isso é ou não impunidade?”, questiona, se referindo ao choro do réu como “lágrimas de crocodilo”.

João Malato fala desde às 17h tentando convencer o júri a votar pela condenação. Virgílio Bacelar está acompanhado do advogado Gilberto Ferreira.

 

Fonte:CidadeVerde

Notícias relacionadas

Petistas da região participam de encontro em Picos

Junior Oliveira

Compras online: como evitar armadilhas ao comprar pela internet

Junior Oliveira

Prefeitura abre concurso com 86 vagas para todos os níveis

Junior Oliveira

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais