22.4 C
Piauí
27 de junho de 2022
Cidades em Foco
Destaque Geral

Vídeo mostra prisão da servidora do TJ após receber propina em troca de sentença

Atualizada às 11h30

Um vídeo mostra o flagrante da servidora terceirizada do Tribunal de Justiça do Piauí (TJ-PI), Kelly Layane Rodrigues Ferreira Gomes, de 26 anos, que foi presa ontem, pelo Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco) suspeita de receber propina em troca de senteça. A gravação revela o momento em que a servidora é abordada em frente ao Fórum Criminal de Teresina, no bairro Cabral, zona Norte de Teresina.

Nas imagens, é possível perceber a servidora entrando em um veículo e após alguns instantes saindo do carro com um envelope na mão.

Já observando a ação, os policiais abordam a servidora quando ela sai do veículo e a questionam sobre a origem do dinheiro. Sem responder as perguntas, a servidora é presa e conduzida à Delegacia.

Em outro vídeo, feito dentro do carro da vítima, é registrado o momento em que a vítima entrega o dinheiro para a servidora e questiona se vai ter garantia no andamento do processo.

Foto: Divulgação/PC-PI

A Polícia Civil também divulgou um áudio da própria servidora em que ela justifica sobre o pagamento da propina.

“Ela não faz assim dessa forma não. Porque na verdade, primeiro a pessoa tem que pagar, porque assim, se a doutra assinar, é muito fácil, a pessoa nem ajuda, entendeu? Porque como o teu processo ele é sistema virtual, tu pode muito bem só imprimir, entendeu? Como já aconteceu várias e várias vezes. Ela ter botado o processo da pessoa lá na frente e quando no final, ela ser enganada, entendeu?

De acordo com o delegado Laercio Evangelista, do Greco, mais de cinco vítimas já procuraram a polícia para também denunciar casos de propina. A Polícia Civil segue com as investigações para apurar se há mais pessoas envolvidas.

Prisão

A prisão em flagrante foi realizada no estacionamento do Fórum Cível e Criminal de Teresina, após a servidora ser flagrada cobrando R$ 2 mil para agilizar sentenças na 5ª Vara da Família, na capital.

Segundo a Polícia Civil, a servidora solicitou o valor para dar prosseguimento ao trâmite processual de uma ação de separação cumulada com pensão alimentícia ajuizada em 2013.

Em nota, o Tribunal de Justiça do Piauí e Corregedoria Geral da Justiça informaram que não compactuam com condutas ilegais e que deverão tomar as providências cabíveis

Confira nota na íntegra

O Tribunal de Justiça do Piauí (TJPI) e a Corregedoria Geral da Justiça informam que não compactuam com quaisquer condutas ilegais e que, em caso de acusação contra servidor, são adotadas todas as providências legais, como a abertura de Processo Administrativo Disciplinar caso haja indícios suficientes, obedecendo a todos os preceitos legais.

Rebeca Lima
redacao@cidadeverde.com

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais