30.7 C
Piauí
10 de abril de 2020
Cidades em Foco
Educação Geral Política

Votação de reajuste a professores é suspensa após tumulto e agressões a vereadores

Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com

Atualizada às 10h50

Após a invasão dos manifestantes no plenário da Câmara, os vereadores se reuniram com a polícia na presidência na Casa e decidiram suspender a votação da matéria sobre o reajuste parcelado do piso dos professores. A votação ficou marcada para a próxima terça(17).

A vereadora Graça Amorim, líder do prefeito, disse que com a votação somente na terça-feira, corre o risco do reajuste não entrar na folha de pagamento de março.

Os manifestantes continuam ocupando o plenário e dizem que só vão sair quando o prefeito Firmino Filho alterar o texto para colocar o pagamento em parcela única.

O presidente da Câmara Jeová Alencar conversa com a polícia para ver uma forma pacífica de retirada dos manifestantes.

As 14h haverá uma reunião dos vereadores para analisar a situação na Câmara Municipal.

Atualizada às 10h10

O clima é tenso na Câmara Municipal de Teresina após os vereadores aprovarem, em regime de urgência, o projeto de reajuste parcelado do piso salarial dos professores da rede municipal de ensino.

Os professores invadiram o plenário e vereadores foram agredidos. A invasão ocorreu quando o vereador Deolindo Moura (PT) abriu a porta do plenário e os manifestantes entraram. Ele foi derrubado e a vereadora Teresinha Medeiros (PSL) levou um tapa de uma das manifestantes.

A líder do prefeito na Casa, Graça Amorim (PP) acusa a oposição de ter aberto a porta de propósito para barrar a votação. “Uma atitude irresponsável que colocou em risco a segurança de todos, não só dos vereadores, mas de todos que estão na Câmara. A tentativa foi de barrar a votação. Vamos esperar os ânimos se acalmarem e a votação vai ocorrer em local secreto”, destacou.

O vereador Deolindo nega que tenha aberto de forma proposital. Ele alega que estava saindo para uma entrevista quando abriu a porta. “Eu fui derrubado e pisoteado não faria isso de propósito, eu só abri a porta para conceder uma entrevista”, alegou.

Já a vereadora Teresinha Medeiros está indo à Delegacia prestar boletim de ocorrência contra o sindicato.

O presidente da Câmara Jeová Alencar pediu reforço na segurança e se a polícia garantir a segurança dos vereadores, eles irão realizar a votação em um local secreto. Segundo Jeová, o Regimento Interno da Câmara permite a realização da votação fora do plenário, em momentos de crise.

“Nós entendemos que é necessário maior diálogo com os professores, porém, estamos pedindo o reforço policial, para tentar a votação ainda hoje”, disse Jeová.

A polícia também foi à presidência para discutir com o Jeová a melhor forma para garantir a votação ainda hoje.

Matéria original

O clima é tenso na Câmara Municipal de Teresina depois que os vereadores aprovaram a votação em regime de urgência para o reajuste parcelado do piso salarial dos professores da rede municipal de ensino. Em greve desde o dia 10, eles acapam, pelo terceiro dia consecutivo, em frente à Casa e durante a sessão desta quinta-feira(12), invadiram o plenário, depois que o vereador Deolindo Moura (PT) abriu a porta.

O parecer de técnicos da Casa afirma que o projeto é inconstitucional, pois a lei do Piso Nacional não permite parcelamento.

A Prefeitura de Teresina enviou para Câmara projeto que reajusta em 12,84% o salário da categoria. O projeto pede o parcelamento do reajuste em duas parcelas. A primeira será paga em abril e a outra em agosto.

O vereador Dudu leu relatório dos técnicos da Câmara que diz que o projeto é inconstitucional.

“Esse projeto é inconstitucional. Os técnicos dessa Casa dizem que é inconstitucional. A proposta incorre em inconstitucionalidade.”, disse Dudu.

Neste momento o clima é de tensão na Casa. Os manifestantes favoráveis à votação são chamados de “moleques” e “covardes”.

Fonte: Flash de Lídia Brito / CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais