21.9 C
Piauí
24 de outubro de 2019
Cidades em Foco
Geral Política

Wellington Dias manda recado ao PT: “quem tem três candidatos não tem nenhum”

O governador Wellington Dias se reuniu ontem (7) com a bancada do PT e mandou um recado: o partido deve o quanto antes, e internamente, escolher um nome para disputar a prefeitura de Teresina. A preocupação é para evitar o desgaste ocorrido no pleito de 2016, onde só uma parte da legenda literalmente resolveu apoiar o PTB ao Palácio da Cidade. Para Wellington Dias, quem tem candidato demais, termina sem nenhum.

“Apenas dei a opinião de quem tem dois, três ou mais candidatos, não tem nenhum. Há a necessidade de definir internamente para poder o povo saber quem é verdadeiramente a candidatura que se está apresentando”, disse o governador em entrevista à TV Cidade Verde direto de Brasília, onde participou de uma reunião do Fórum de Governadores.

Segundo ele, o presidente do partido, deputado federal Assis Carvalho, fez a proposta de um cronograma para que esse nome seja definido. Querem disputar a prefeitura de Teresina os deputados estaduais Franzé Silva e Fábio Novo, além do líder comunitário Junior do MP3. O ex-secretário de Justiça, Daniel Oliveira, chegou a colocar também seu nome, mas recuou.

“O deputado Assis Carvalho fez a proposta de um cronograma e a direção do partido é que vai conduzir essa parte e nós confiamos”, destacou o governador.

No mês passado, em entrevista à TV Cidade Verde, o deputado Franzé Silva já havia alertado que o PT não pode repetir os erros da eleição 2016. “Foi uma maturidade nossa compor com o PTB, mas infelizmente o que aconteceu lá, a gente quer evitar esse ano, que é a briga interna chegar às ruas. O PT tem que ir para o debate em suas instâncias”, disse à época.

Fórum

Sobre a reunião com os governadores, Wellington Dias destacou os três temas abordados: Fundef, Segurança e Pacto Federativo. “Sobre o Fundef, pela proposta teremos uma ampliação da participação da União. A ideia é começar em 2020. Termina beneficiando os municípios, que passam por uma carência maior e tem a regra de um complemento acima do patamar atual. Já na Segurança a ideia é uma fonte que seja a partir de uma emenda constitucional, assim como tem para saúde e educação. Sobre o pacto federativo, queremos o cumprimento do que foi acordado lá atrás. Estou aqui na Câmara dialogando para que a gente tenha as condições de votar antes do leilão do pré-sal”, destacou.

Fonte: Hérlon Moraes / CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais